Gouveia e Melo “comovido” após ser recebido com aplausos pelos jovens

Escrito porem 21 de Agosto, 2021

O coordenador da task-force para a vacinação contra a Covid-19 falou aos jornalistas a partir do Centro de Vacinação de Alcabideche, no dia em que abriu a vacinação para as crianças entre os 12 e os 15 anos.

Henrique Gouveia e Melo foi esta manhã de sábado recebido com uma salva de palmas no Centro de Vacinação de Alcabideche, onde se dirigiu para acompanhar o processo de vacinação dos jovens, dado que se iniciou hoje a imunização de crianças e jovens entre os 12 e os 15 anos. O vice-almirante disse-se “comovido” com a receção, que acredita ter sido uma mostra de encorajamento.

“Não, não estava à espera”, respondeu, questionado pelos jornalistas sobre o momento de ovação.

“Julgo que os problemas recentes fizeram com que os pais também tomassem mais consciência deste processo e, ao fim e ao cabo, acho que estes aplausos foram mais para me animar, dizer ‘estamos consigo’, e eu agradeço imenso e fico comovido, como é evidente”, acrescentou, referindo-se ao incidente da semana passada, em que foi insultado por um grupo de negacionistas em Odivelas.

“A barreira do negacionismo que existe noutros países é uma barreira muito pequena, para bem de todos nós. A vacinação está a progredir, vamos proteger-nos todos uns aos outros e isso é que é importante”, acrescentou, naquilo que descreve como “um ato básico de civismo.”

O coordenador da task-force para a vacinação contra a Covid-19 foi, ainda, questionado sobre a possibilidade da terceira dose, instado a comentar a decisão do governo regional dos Açores, que decidiu avançar com mais uma dose. “Nós temos uma autoridade de Saúde, que é nacional, mas depois as autoridades regionais têm bastante autonomia, acho que isso é normal. Nesta fase, não acabamos de dar sequer as segundas doses a toda a população”, adiantou, sublinhando que a autoridade regional “tem as suas razões.”

“Nós ainda não estamos nessa fase, quem vai decidir sobre isso é a DGS”, acrescentou, lembrando que ainda há “cerca de 1 milhão de primeiras doses para dar”. No entender de Gouveia e Melo, porém, “faz sentido” a decisão de aplicar uma terceira dose às pessoas mais vulneráveis.

O vice-almirante mantém confiança na imunidade de grupo, mas de forma cautelosa. “Esperemos que se manifeste a imunidade de grupo. Mesmo que não se manifeste a imunidade de grupo, o vírus passa a ter muito pouco espaço de manobra, porque a população estará muito vacinada”, disse.

Garantindo que há vacinas disponíveis para uma terceira dose, esclarece que, “neste momento, estamos a terminar um processo de emergência” e que uma possível nova dose “será num processo mais normal”.

Fonte: Noticias ao Minuto


Opinião do Leitor

Deixe o seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Os campos obrigatórios estão marcados



A Tocar na Rádio

Titulo da Musica

Artista

Programa no Ar

Tardes da Rádio

15:00 19:00

Programa no Ar

Tardes da Rádio

15:00 19:00

Background